Orieta Vasquez – As Artes da Encadernação e do Restauro

(entrevista a Márcia Oshiro, São Paulo, 19-04-2004)

 

P.: Como a senhora vê as relações do Brasil com o livro, do ponto de vista da conservação e da encadernação?

R.: De dez anos para cá, essas relações melhoraram, o brasileiro passou a valorizar mais o livro, a valorizar mais a leitura. E também começa a haver uma consciência de conservação dos livros, e isso é muito importante. Estamos superando aquela mentalidade de valorizar o livro só pelo aspecto externo, pela capa.

P.: Como anda a difusão desse trabalho de encadernação artesanal?

R.: Infelizmente, ainda é modesta. Há muitos que ainda confundem a encadernação comercial – esta sim muito difundida – com a encadernação artesanal, ainda pouco cultivada.

P.: Há muita demanda por restauro?

R.: Sim, é um trabalho procurado, mas acontece que não se valoriza adequadamente o trabalho do restaurador, como se se limitasse a aspectos menores, como colocar uma capinha (e baratinho…); já o restauro, o verdadeiro restauro começa a ser valorizado por universidades, bibliotecas, museus, editoras interessadas em conservar suas primeiras edições… Começa a haver uma consciência de que não se podem perder acervos de livros raros e que há a possibilidade de restaurar livros deteriorados.

Havia uma mentalidade de que a bibliotecária era a dona do livro e os restauradores não tínhamos o direito de dar palpites; agora houve uma mudança de mentalidade e muitas bibliotecárias procuram nossos cursos de encadernação.

Também a Prefeitura de São Paulo (e algumas outras) tem mostrado um interesse e promovido cursos rápidos de “primeiros socorros” ao livro, conservação etc. E não só tem promovido cursos como tem enviado seus funcionários para nossos cursos na ABER (Associação Brasileira de Encadernação e Restauro http://www.aber.org.br/). Esses nossos cursos recebem alunos de todo o Brasil, São Paulo é sem dúvida o centro mais importante nesse campo.

Mesmo nos cursos de encadernação – que são nossos cursos introdutórios e mais simples – já damos algumas noções de restauro.

P.: Existem já equipes de restauradores em nossas bibliotecas?

R.: Que eu saiba, não! Mas começa a haver uma preocupação em formar pessoal para esse importante trabalho e também a de procurar pessoal especializado. Infelizmente, não temos cursos superiores de encadernação; a faculdade que oferece esse curso forma auxiliares de restauro (conservação de materiais gráficos); os profissionais de alto nível têm que se formar no exterior.

P.: Como uma das fundadoras da ABER e há tantos anos lecionando, a senhora poderia nos indicar as principais tendências da encadernação entre nós?

R.: A tendência é a de procurar a parte comercial: fazer e ganhar! Mas, como dizia, desde há uns dez anos, felizmente, esta mentalidade está mudando. Há alunos que nos procuram pensando somente em fazer aquela capinha, aquela coisa bem simples, mas depois adquirem uma consciência da arte e voltam para fazer a parte artesanal, que é bem diferente, par aprender a trabalhar com vários tipos de material: couro, pergaminho…

Encadernação de nervura aparente, em couro costurado diretamente no livro

P.: A que se deve essa nova consciência de conservação do livro?

Apesar de todos os recursos de hoje – internet, livros eletrônicos etc. – tem havido uma revalorização do livro em si, de primeiras edições, de seu valor histórico etc.

P.: Poderia contar-nos um pouco de sua experiência nessas artes de encadernação e restauro?

R.: Eu tenho muita experiência com livros do século XVI, XVII, pergaminhos…, como no caso de um livro de Leonardo da Vinci que continha todos os seus desenhos. Às vezes nem o próprio dono sabia do valor dessas obras maravilhosas,.

Outro aspecto que tenho notado é que vai havendo uma maior abertura entre os colegas: antigamente, você não podia contar com a ajuda de outros profissionais, porque era tudo muito fechado; hoje, já há mais comunicação de conhecimentos entre colegas.

Do ponto de vista da educação, seria muito interessante começar a dar noções de conservação dos livros nas escolas; depois o aluno adulto já saberia como cuidar do livro, que não é colocar durex ou fita crepe… Sempre batalhei por essa idéia, mas não tinha apoio; embora oferecêssemos palestras gratuitas para as escolas, tínhamos que enfrentar uma burocracia tremenda – consultar a diretora, pedir permissão para não sei quem etc. Então, chega um momento em que você desiste. É uma pena. Poderia inclusive haver nas escolas muitas atividades práticas, com papel, colinha etc. E, junto com isto, despertar a curiosidade pelo livro, o interesse por ler, pois o Brasil é um país que lê muito pouco. Mais do que o preço do livro, falta de tempo para ler etc., nosso problema é de interesse.

1562: Anais e Crônicas de França

Créditos: http://www.hottopos.com/videtur27/orieta.htm


Anúncios

Sobre Orieta

Orieta Vásquez Artesã chilena radicada no Brasil desde 1976, se dedica à encadernação e restauração de livros. Ministra cursos de encadernação em seu ateliê e na ABER (Associação Brasileira de Encadernação e Restauro)
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s